Carlos Lyra Baixar Músicas

Carlos Lyra

Bossa Nova

702 views
Compartilhe Agora:

foto de Carlos Lyra

Quando Tom Jobim afirma que Carlos Lyra é o grande "conhecedor dos caminhos", o mestre não exagera. Excepcional melodista, Lyra nasceu historicamente junto com a bossa nova. As melodias inspiradas resistem ao tempo, mostrando que o verdadeiro caminho é a independência artística. Lyra e a bossa nova praticamente se confundem, mas o autor de Primavera sempre preservou a sua identidade musical. A primeira música de Lyra a ser gravada em LP - Criticando, registrada em 1956 pelo conjunto Os Cariocas - é uma espécie de precursora da clássica Influência do Jazz e já mostrava que o autor manteria sua autonomia em relação à velha bossa, embora a história o colocasse como um dos líderes naturais do movimento (se é que se pode falar em "movimento"). A identidade de Lyra revelou-se nítida logo no primeiro disco, Carlos Lyra - Bossa Nova, lançado em 1959. Uma tal Maria Ninguém já impunha presença ao lado de clássicos como Quando chegares, Menina e Rapaz de bem (foi Lyra o lançador desta composição de Johny Alf). O universo musical de Lyra já não estava restrito aos deliciosos sal, sol e sul cariocas. Ainda que isso ficasse claro somente na segunda e divergente fase do - vá lá - movimento. A dicotomia que germinava latente entre os bossa-novistas brota mais fortemente a partir de 1961. Neste ano, Lyra lança seu segundo disco com jóias como Minha Namorada, Você e eu e Coisa mais linda. Mas a cabeça (e o violão) já caminhava em outra direção. No mesmo ano, ele é um dos fundadores do Centro Popular de Cultura, o popular CPC, da UNE (União Nacional dos Estudantes). O laço cada vez mais apertado com o teatro e o cinema (que na época era Novo) politiza a obra de Lyra. E nada aconteceu assim tão de repente. Em 1960, ele já havia composto a trilha da peça A mais valia vai acabar, seu Edgar, de autoria do combativo Oduvaldo Vianna Filho. Sem falar na sua posterior atuação junto à diretoria do Teatro de Arena. Estava pronto o terreno para que Lyra transformasse a bossa do amor, do sorriso e da flor numa música mais pé no chão, em sintonia com uma realidade que já começava a dar os sinais da inconstância política. Lyra entrou logo para a turma dos dissidentes, dos engajados, desafinando todos os coros formados pelos contentes com a estética cool (e já distante naquele momento) do canto e da poesia de João Gilberto e Cia. O terceiro disco de Lyra, lançado em 1963, já trazia Influência do Jazz e Aruanda. O samba deixava o apartamento de Zona Sul para subir o morro. Na contramão, Zé Keti, João do Vale, Nelson Cavaquinho e Cartola iam para o asfalto (e para o CPC) mostrar que nem tudo eram flores no Brasil de 1963 e 1964. Lyra já sabia disso. A consciente Canção do Subdesenvolvido - composta por ele em 1963, em parceria com Chico de Assis - já explicitava uma ideologia incômoda para setores mais conservadores. O tempo fechou com o golpe militar de 1964 e a saída, para Lyra, foi o auto-exílio. De 1964 a 1971, Lyra esteve fora do Brasil. No exterior, ele percebeu que os dois universos bossa-novistas não eram tão incompatíveis assim. Tocou com Stan Getz nos Estados Unidos e gravou dois discos no México. E, no entanto era preciso cantar e tocar também no Brasil. De volta a seu país, Lyra regravou seus próprios clássicos. A massa alienada não se esquecia das lindas melodias bossa-novistas, mas a consciência do compositor gritava mais alto. Depois de três discos lançados sem o mesmo impacto de seus antecessores, o autor de Feio não é bonito radicaliza com o incisivo Herói do medo (Continental, 1974) - disco de letras propositalmente dúbias, que tentavam lembrar que, enquanto a multidão driblava a consciência com os gols da seleção e os lances das novelas de televisão, gente era torturada e morta na luta pela democracia. Mas a pressão era grande. Resultado: um disco censurado e um segundo auto-exílio. Em 1974, Lyra foi para Los Angeles, retornando dois anos depois para cantar em incessantes "shows", as melodias que todos ainda queriam ouvir. O "revival" parece interminável. Não chegava de saudade. Lançado em 1984, o "show" 25 Anos de Bossa Nova dura cinco anos e resulta no homônimo disco ao vivo, nas lojas em 1987. Preso a uma época áurea, Lyra segue repetidas vezes os caminhos elogiados por Tom Jobim. E esses caminhos são, e sempre serão, trilhas das mais inspiradas da música brasileira. Mauro Ferreira

Se você encontrou alguma informação errada ou poderia melhorar essa página sobre Carlos Lyra fale agora mesmo com a gente!

Faltando alguma coisa aqui? Mande mais fotos de Carlos Lyra para gente!

TODOAS AS MÚSICAS
  1. A Certain Sadness

    186 views
  2. A Lei e a Ordem

    86 views
  3. A LENDA DO RIO VERMELHO

    148 views
  4. A Paga

    119 views
  5. Achados e Perdidos

    146 views
  6. All Is Well

    134 views
  7. AMANDA

    153 views
  8. Amarga Vinha

    202 views
  9. Aonde Andou Você

    110 views
  10. ARUANDA

    182 views
  11. Assim Na Terra Como No Céu

    74 views
  12. Auto de Fé

    175 views
  13. Auto de São Jorge Guerreiro

    83 views
  14. Broto Triste

    191 views
  15. CANAÃ

    110 views
  16. Canção do Zequinha

    154 views
  17. Canción Del Pata-rajada

    110 views
  18. Carioca de Algema

    166 views
  19. Choro de Breque

    107 views
  20. Com Você É Pior

    63 views
  21. Como, Como, Como!

    112 views
  22. Diz a Ela

    186 views
  23. Do You Know? (sabe Você?)

    185 views
  24. Dueto

    66 views
  25. É Proibido Não Proibir

    58 views
  26. É Tão Triste Dizer Adeus

    97 views
  27. Era Uma Vez a História

    177 views
  28. Essa Passou

    120 views
  29. Forgive Me If I Was Late (se É Tarde Me Perdoa)

    133 views
  30. Fotografia

    176 views
  31. Glória In Excelsis (missa Agrária)

    123 views
  32. Hei de Vencer

    144 views
  33. I See Me Passing By

    51 views
  34. Lanterna

    138 views
  35. Lugar Bonito

    157 views
  36. LUTADORES

    92 views
  37. METADES

    157 views
  38. Milícias e Malícias

    188 views
  39. Minha Namorada

    91 views
  40. Nada Como Ter Amor

    162 views
  41. O Barco E A Vela

    184 views
  42. O Bem do Amor

    182 views
  43. O Bosque

    186 views
  44. O Descanso do Guerreiro

    120 views
  45. O Mutilado

    206 views
  46. Onde Um Amor?

    72 views
  47. Pelo Bem da Vida

    152 views
  48. Pode Ir

    81 views
  49. Podes Crer (só Quem Não...)

    49 views
  50. Policarpo Quaresma

    207 views
  51. Pranto de Donzela

    50 views
  52. Primavera (primavera)

    57 views
  53. Qual, Qual, Qual

    125 views
  54. Quando Chegares

    61 views
  55. Quando Ela Fala

    207 views
  56. Relaxa e Goza

    129 views
  57. Samba da Legalidade

    60 views
  58. Saudade faz um Samba

    144 views
  59. Se É Tarde Me Perdoa

    179 views
  60. Se Você Quiser Me Dar Amor

    99 views
  61. Sertanejo (the Farmer)

    147 views
  62. So Long Sweet Hungup

    115 views
  63. Solidão

    135 views
  64. Song Duet (valsa Dueto)

    208 views
  65. Superlove (superamor)

    86 views
  66. Tango

    100 views
  67. The Big Bad Wolf (lobo Bobo)

    184 views
  68. Um Abraço No João (até Parece)

    224 views
  69. Vals Dueto (valsa Dueto)

    184 views
  70. Velhos Tempos

    92 views
  71. Você e Eu

    51 views
  72. Waiting For The Day

    173 views
  73. Y-Panema

    79 views
  74. Yes, Love Has Come

    66 views
  75. You And Me (você e Eu)

    197 views

Envie mais letras de Carlos Lyra

>