Padre Pio de Pietrelcina (Filme dublado)

padre-pio-de-pietrelcina-filme-dublado

Padre Pio

Informações do filme:

Padre Pio é uma emocionante minisérie sobre a vida e obras do padre Francesco Forgione (1887 -1962), que, na vida religiosa, assumiu o nome de Pio de Pietrelcina e foi canonizado pelo papa João Paulo II, em 2002.

O filme acompanha a trajetória de fé dessa grande personalidade da Igreja Católica no século XX. Mostra sua trajetória na identificação com a pessoa de Jesus Cristo, as visões, os estigmas, sua dedicação aos necessitados, os inúmeros milagres e a fundação da Casa do Alívio do Sofrimento, o maior hospital do sul da Itália.

Filmado nos lugares em que o Padre Pio viveu, essa superprodução é uma obra edificante que não pode faltar na coleção das famílias cristãs.

Biografia de Padre Pio
Padre Pio nasceu em 25 de maio de 1887 na localidade de Pietrelcina, muito próxima à cidade de Benevento. Foi um dos sete filhos de Grazio Forgione e Maria Giuseppa De Nunzio.

Segunda parte

Ainda criança era muito assíduo com as coisas de Deus, tendo uma inigualável admiração por Nossa Senhora e o seu Filho Jesus, que os via constantemente devido a tanta familiaridade. Ainda pequeno havia se tornado amigo do seu anjo da Guarda, a quem recorria muitas vezes para auxiliá-lo no seu trajeto nos caminhos do Evangelho. Conta a história que ele recomendava muitas vezes as pessoas a recorrerem ao seu anjo da guarda, estreitando assim a intimidade dos fiés para com aquele que viria a ser o primeiro sacerdote da história da igreja a receber os estigmas do Cristo do Calvário.
Com quinze anos de idade entrou no noviciado em Morcone adotando o nome de “frei Pio”; concluído o ano de noviciado, formulou os votos simples em 1904; em 1907 formulou a profissão dos votos solenes. Frequentou estudos clássicos e filosofia. Foi ordenado padre em 10 de agosto de 1910 no Duomo de Benevento.
Aos casos mais urgentes e complicados o frade de Pitrelcina dizia: “Estes só Nossa Senhora”, tamanha era a sua confiança na sua maezinha do céu a quem ele tanto amava e queria obter suas virtudes.
Percebendo que a sua missão era de acolher em si o sofrimento do povo, recebe como confirmação do Cristo os sinais da Paixão em seu próprio corpo. Estava aí marcado em si mesmo a sua missão. Deus o queria para aliviar o sofrimento do seu povo. Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por este sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiés e libertá-los das garras do Demônio que era conhecido por ele como “barba azul”. Torturado, tentado e testado muitas vezes por este, sabia muito da sua astúcia no seu afã em desviar os filhos de Deus do caminho da fé.
Percebendo que não somente deveria aliviar o sofrimento espiritual, recebeu de Deus a inspiração de Construir um grande hospital, o tão conhecido “Casa Alívio do Sofrimento”, que viria a ser o referência em toda a Europa. Mesmo com o seu ministério sacerdotal vitimado por calúnias injustificáveis, não se arrefeceu o coração para com a Igreja por quem tinha grande apreço e admiração. Sabia muito bem distinguir de onde provinham as calúnias, sendo estas vindas por parte de alguns da Igreja, e não da Igreja mãe e mestra a quem ele tanto amava.
A pedido do Santo Padre, devido aos horrores provocados pela Segunda Guerra Mundial, cria os grupos de Oração, verdadeiras células catalizadoras do amor e da paz de Deus para serem dispenseiros de tais virtudes no mundo que sofria e angustiáva-se no vale tenebroso de lágrimas e sofrimentos.
Na ocasião do aniversário de 50 anos dos grupos de oração celebra-se uma Missa nesta intenção. Seria esta Missa o caminho do seu Calvário definitivo, onde entregaria a alma e o corpo ao seu grande apaixonado; a última vez que os seus filhos espirituais veriam o padre a quem tanto amavam. Era madrugada do dia 23 de setembro de 1968, no seu quarto conventual com o terço entre os dedos repetindo o nome de Jesus e Maria, descansa em paz aquele que tinha abraçado a cruz do Cristo, fazendo desta a ponte de ligação entre a terra e o céu. Morte suave de quem havia completado a missão, de quem agora retornaria ao seio do Pai em quem tanto confiou. Hoje são muitas as pessoas que se juntaram a fileira dos seus devotos e filhos espirituais em vários grupos de oração que se espalharam pelo mundo. É o próprio padre Pio que diz: “Ficarei na porta do Paraíso até o último dos meus filhos entrar”

O Grande Silêncio – Ordem dos Cartuxos

o-grande-silencio-ordem-dos-cartuxos

Um filme sobre a solidão e o silêncio numa comunidade invulgar que vive o tempo a outro ritmo, talvez mais em sintonia ou mais perto da essência divina… O GRANDE SILÊNCIO é o primeiro filme sobre a vida interior da Grande Chartreuse, casa-mãe da Ordem dos Cartuxos, uma meditação silenciosa sobre a vida monástica na sua forma mais pura. A autorização para filmar o interior do convento pedida pelo realizador Philip Gröning, só lhe foi concedida 17 anos depois. Sem música à excepção dos cânticos do mosteiro, sem entrevistas, nem comentários, ou artifícios. É um filme sobre a presença do absoluto e a vida de homens que dedicam a sua existência a Deus.

Saiba mais:

É outro tempo que se respira e vive neste filme. “O Grande Silêncio” estreou entre nós, a 8 de Fevereiro, depois de lá fora acumular prêmios da crítica e reconhecimento do público. Mas não se pense que o realizador Philipe Gröning facilita: quase três horas de silêncios e murmúrios, uma banda sonora que se preenche com os gestos do quotidiano: lavar a louça, cortar lenha, tratar da horta, rapar o cabelo, talhar novos hábitos para os monges, tocar o sino. É assim a proposta deste cineasta alemão que, depois de esperar 16 anos para ali poder filmar, viveu seis meses entre a comunidade de monges da Cartuxa, do Mosteiro de La Grande Chartreuse, nos Alpes franceses, próximo de Grenoble, tida como a mais rigorosa das ordens monásticas católicas.

Viver em silêncio, rezar em silêncio, trabalhar em silêncio, falar em silêncio. Pequenos gestos. “Eis o silêncio: deixar que o Senhor pronuncie em nós uma palavra igual a Ele.” Gröning faz do cinema um convento, o olhar do espectador torna-se contemplação, como o monge que reza em silêncio, na sua cela solitária ou na floresta. A repetição, o ritmo, todos os gestos se dizem no tempo destes monges, que vivem noutro tempo, noutro ritmo, nos tempos de hoje. E o filme contempla este tempo, as estações a sucederem-se, os dias e as noites, as orações e os trabalhos.

Para filmar assim, os monges de Le Grande Chartreuse impuseram apenas quatro condições: as filmagens decorrerem sem luz artificial, sem música adicional, nem comentários. E a equipa reduzida ao próprio Gröning. Assim é: não há música, a não ser os cantos gregorianos que os frades cartuxos cantam; quando a noite cai, as orações ditas na escuridão iluminam-se com ténues velas; e quase não há palavras – apenas se escuta o rito de iniciação de dois noviços, uma leitura que acompanha a refeição comum aos domingos e dias santos (únicos dias em que se permite o passeio e conversas entre os irmãos) e, no fim, um frade cego que explica o sentido da sua vida, da vida da comunidade. “Quanto mais perto de Deus, mais feliz se é”, diz-nos. Ao fim de três horas, somos tentados a perscrutar estes silêncios, este tempo: “Vós me seduzistes, Senhor, e eu deixei-me seduzir.”

Mas a este ascetismo, traduzido num filme também ele asceta, o mundo espreita para lá dos muros – grupos de jovens que brincam nas redondezas, um carro que ilumina a noite. “Quem não renuncia a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo.” O sino repica. Solidão e silêncio.

Download Católico

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

O Grande Milagre (Legendado)

o-grande-milagre-legendado

Por Cleiton Robsonn.

A animação El gran milagro (O grande milagre) é uma proposta interessante porque elucida parte a parte a Santa Missa, numa proposta envolvente que poderia atrair toda a família: desde a criança de cinco anos (afinal, é uma animação) aos mais velhos.

Todo o filme é baseado e feito a partir do Testemunho da Missionária Leiga do Coração Misericordioso de Jesus, Catalina Rivas, transcrito no livro “A Santa Missa“, que tem o “Imprima-se!” do Bispo Ordinário:

Imprimatur de Mons. José Oscar Barahona C., Bispo de San Vicente (El Salvador)

“Li atentamente o impresso A Santa Missa, Testemunho de Catalina, Missionária leiga do Coração Misericordioso de Jesus, e não encontro nele nada contrário à Sagrada Escritura nem à doutrina da Igreja; pelo contrário, creio sinceramente que é um testemunho de sublime ensinamento sobre o mistério da Santa Missa. Recomendo vivamente sua leitura e meditação a sacerdotes e leigos para uma melhor compreensão e vivência do Santo Sacrifício do Altar.”

San Vicente, 2 de março de 2004

Antes de falarmos do filme, é interessante termos em conta o posicionamento da Igreja quanto às “Aparições e Revelações Particulares“, contido no documento homônimo, quando se refere aos critérios de discernimento das mesmas:

“O conteúdo da aparição não pode contradizer nem à razão humana, por falso, maldoso ou imoral, nem à Revelação divina, aos dogmas e a doutrina magisterial da Igreja.” (Nº 2, b)


Analogamente, em 1996, o Serviço de Animação Mariana, de Anápolis-GO, lançou o livro do Padre Francisco Rudroff  “Santa missa Mistério da nossa fé – Meditações em Palavras e Imagem“, buscando aproximar-nos de tão grande Mistério, pelo que não se vê, com as belíssimas gravuras, uma forma atual de adentrar no conhecimento da “Beleza tão antiga e tão nova”, como dizia Santo Agostinho.

*******

Texto de Vinícius Farias, com adaptações; Originalmente postado em Projeções de Fé.

A história do filme trata de três pessoas, uma mãe viúva que tem de lidar com a árdua tarefa de criar o filho pequeno, um motorista que recebe a notícia da doença do filho e uma idosa cansada dependência no final da vida. As diferentes situações dos três personagens acabam convergindo na igreja que fica no centro da cidade. A ajuda surge de onde menos essas três pessoas esperam: do menino do sinal de trânsito, de um adolescente que esquece da vida no ônibus ou de um faxineiro de igreja. A ajuda prestada a essas três pessoas que sofrem poderia ser resumida na frase: “às vezes a dor tem que ser compartilhada para ser compreendida”. Possivelmente para mostrar que Deus está à nossa espera, em qualquer paróquia vivo e real na eucaristia, ainda que nem sempre enxerguemos bem essa verdade.

Na verdade, o menino do sinal, o adolescente e o faxineiro são anjos disfarçados que encaminham sutilmente os três para a igreja no centro da cidade. Lá, por uma graça extraordinária, os três conseguem ver a Missa de uma forma mística. Eles passam a ver demônios que surgem de todos os cantos para distraírem ou incitarem os fiéis a pecar, anjos que defendem aqueles que estão atentos e em oração, a Virgem Maria que aparece para consolar as dores de um dos personagens, os anjos que levam as petições e oferendas a Deus durante o ofertório, as almas dos bem-aventurados e a das almas do purgatório, etc.

O filme é uma forma “plástica”, como dizem alguns liturgistas, de esclarecer que as partes da Missa que vemos fisicamente são ínfimas em relação ao todo. Logo que assisti ao filme, lembrei-me das visões místicas do padre alemão João Batista Reus, que via o rosto de Cristo na hóstia, chamas saírem de suas mãos ao abençoar os fiéis, anjos e santos cantando e adorando a Deus no momento da consagração, etc. Outros santos também já tiveram esse tipo de visão durante o culto eucarístico e isso nos faz pensar que é um filme extremamente real do ponto de vista da experiência dos santos.

Com a intenção de fomentar a consciente, boa e frutuosa participação da Santa Missa é que o  recomendamos. Afinal, é bem feito, o roteiro não é ingênuo, leva-nos realmente a amar mais a missa e a confiar mais em Deus. Dentre as cenas, porém, devemos alertar que há uma que explica-se pelo contexto da graça extraordinária, mas que poderia tranquilamente ser retirada para evitar confusões. Nessa cena, o falecido marido da viúva aparece e dialoga com ela para dizer que sempre estará ao lado dela e do filho. Nos comentários do Youtube alguém já reclamou abertamente: “espiritismo é pecado […]”.

A cultura espírita talvez não seja tão forte no México (onde o filme foi produzido), quanto aqui no Brasil. Vemos gente morta voltando à vida diariamente nas novelas como se fosse a coisa mais natural do mundo. Não se esperaria um endossamento por parte da Igreja, que condena tal prática, com firmeza. No entanto, como dissemos, pelo contexto extraordinário das visões que os personagens têm e somente nesse contexto, por uma graça também extraordinária, por que Deus não permitiria que a alma bem-aventurada consolasse a viúva? Sim, a cena é desnecessária e o filme passaria tranquilo sem ela. Porém, ao invés de incentivar uma prática herética como o espiritismo, o filme quer mostrar que, diante dos propósitos de Deus, nada é impossível, a começar pelas visões da Missa que os personagens tiveram.

A mensagem que fica, é, sem dúvida, a de que a Missa é um mistério que transcende em muito nosso entendimento. É um convite a ir além, a não contemplar esse mistério de longe, com estranhamento, mas entrar nele e adorar a Deus de forma mais intensa – “em espírito e em verdade” (Jo 4).

Ficha Técnica:

Produtora e Diretor: 
Dos Corazones, S.A de C.V | Bruce Morris
Ano: 2011
País: México
Duração: 70 min
Música: Mark Mckenzie
Gênero: Ficção/Drama/Animação
Idiomas: Espanhol, Inglês e Polonês
Estúdio de Animação: Imagica Film, México

Download Católico

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Aprendendo com as histórias de Pe Léo – Palestras (Ouça)

aprendendo-com-as-historias-de-pe-leo-palestras-ouca



Padre Léo Tarcísio Gonçalves Pereira, SCJ, mais conhecido como Padre Léo (Delfim Moreira, 9 de outubro de 1961 – São Paulo, 4 de janeiro de 2007) foi um sacerdote brasileiro da Congregação dos Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus (dehoniano). Filho de Joaquim Mendes e Maria Nazaré, era cantor, compositor, apresentador, pregador e escritor.

Entrou para a Renovação Carismática Católica (RCC) em 1973 e, em 12 de outubro de 1995, fundou a Comunidade Bethânia, que, hoje, conta com mais de trinta membros e cinco casas espalhadas pelo Brasil, que têm como objetivos acolher e oferecer tratamento a dependentes químicos, alcoólatras e portadores do vírus HIV, além de menores abandonados.

Em abril de 2006, padre Léo começou um tratamento contra o câncer que teve e, mesmo debilitado, esteve presente no evento “Hosana Brasil 2006”, da Comunidade Canção Nova, em dezembro, muito abatido pelo tratamento. Em 4 de janeiro de 2007, ele morreu no Hospital das Clínicas em São Paulo de infecção generalizada em consequência de um câncer incurado.

Ao todo, teve 23 livros publicados, a maioria editados pela Editora Canção Nova e pela Loyola. O último intitula-se Buscai as coisas do alto, escrito durante o tratamento contra o câncer. Outros títulos: Viver com HIV, A cura do ressentimento, Rezando a vida, Famílias restauradas, etc. Sobre o padre Léo, Felipe Rinaldo Queiroz de Aquino opinou:

Pe. Léo nos deixou também um acervo espiritual muito grande em seus livros e palestras, tratando sobretudo da restauração da pessoa humana, pela cura interior e pela restauração da família. Na Comunidade Bethânia era um incansável pregador de retiros para casais e para jovens; sabia atingir muito bem o coração de todos com uma pedagogia especial, com alegria e profundidade.” Prof. Felipe Aquino

Esta postagem será atualizada diariamente com novas palestras. 

Coletânea de Palestras Padre Léo

01 – Não te detenhas sobre a planíce (31/12/2000)

02 – Como Bambus no Getsêmani (08/09/2002)

03 – Cura e Libertação – A cura do ressentimento (06.09.2003).


2003.09.06 – Cura e Libertação – O ressentimento faz mal
2003.12.29 – Praticar a Cura Interior
2004.09.24 – Palestra desconhecida
2004.10.24 – Confortai-vos no Senhor
————————————————————————————-
2004.11.22 – Revestir-vos do Senhor Jesus
2004.12.30 – Abandone Sua Capa + 5 Palestras Inclusas
————————————————————————————-
2005.01.01 – Eu só posso encontrar Deus no tempo que se chama hoje
2005.01 –
2005.04.16 – Jovem seja firme e corajoso
2005.04.16 – Jovem, Acorda e Levanta-te
2005.04.17 – Deus me amparou
2005.06.10 – Família, projeto de Deus
————————————————————————————-
2005.06.11 – O matrimônio é projeto original de Deus
2005.06.11 – O joio e o trigo
2005.06.12 – Caminhar com Jesus
2005.06.12 – Dez maneiras de estragar um filho
2005.06.12 – No limite está a salvação dos filhos
2005.07.16 – Vou curar-lhes as feridas
2005.07.16 – Vou pensar-lhes as feridas
————————————————————————————-
2005.07.16 – Vou proporcionar-lhes abundância e felicidade
2005.08.28 – Como transformar seus sonhos em projetos
2005.09.17 – Fonte de vida plena
2005.10.16 – Afetividade e Sexualidade – Ele cuida de nós
2005.10.16 – Afetividade e Sexualidade – Saborear o amor
2005.10.16 – Glorificai a Deus no vosso corpo
2005.11.26 – Quebre a ”casca” do seu coração
2005.11.26 – Conserte as suas redes
2005.11.26 – Mas por causa da tua Palavra
————————————————————————————-
2005.11.27 – Vigiai, pois Deus é fiel
2005.11.27 – Desterre seus traumas
2005.11.27 – Sede bondosos, compassivos e perdoai
2005.12.30 – Não Matarás
2005.12.30 – Não pecar contra a castidade
2005.12.31 – Não furtar
2005.12.31 – Purificar nossos desejos
2005.01.01 – Amor não se compra
2005.01.01 – Vida intima, penhor de comunhão espiritual
2006.01.01 – Não tenha medo
————————————————————————————-
2006.01.28.09h55 – A Verdadeira cura e libertação
2006.01.28.10h30 – Libertos da maldição
2006.01.28.16h30 – Superando as nossas limitações
2006.01.29.10h00 – O Poder da Bênção
2006.01.29.11h55 – Verdade sobre o mal
2006.02.26.12h00 – Que lugar Deus ocupa na minha vida
2006.02.26.14h30 – Mandamento é luz que ilumina
2006.02.27.11h00 – A verdade é o caminho para felicidade
2006.12.09.11h15 – Buscai as coisas do alto + 1 PALESTRA DESCONHECIDA
————————————————————————————-
A necessidade de cura interior
A santidade plena no matrimônio
Aprofundamento – Amigos de Oração
Aprofundamento – Amor de Deus
Aprofundamento – Atraídos pelo Verbo
Aprofundamento – Chamados a glória
————————————————————————————-
Aprofundamento – Dom de Línguas
Aprofundamento – Dom do discernimento
Aprofundamento – Embriagados pelo Espírito
Aprofundamento – Não vos conformeis
Aprofundamento – O Amor do Pai em Maria
Aprofundamento – Observa os mandamentos
————————————————————————————-
Aprofundamento – Troque de canal
Casa sobre a rocha
Casamento Santo

Papa aos Sacerdotes: “Evangelizar é um ato de amor para com o povo” (Áudio)

papa-aos-sacerdotes-evangelizar-e-um-ato-de-amor-para-com-o-povo-audio

Rádio Vaticano (RV) – Por ocasião da Solenidade do Sacratíssimo Coração de Jesus, que a liturgia celebra, nesta sexta-feira, o Santo Padre deixou o Vaticano, na parte da tarde, para celebrar, na Basílica de São João de Latrão, sede da diocese de Roma, a uma Santa Missa e fazer uma meditação aos sacerdotes que estão participando do III Retiro Mundial de Sacerdotes.

Baixar áudio
O Retiro de três dias, que teve início na última quarta-feira, na Basílica Lateranense, é promovido pelo Serviço Internacional da Renovação Carismática e pela Fraternidade Católica, e tem como tema: “Chamados à santidade para a nova evangelização”. A meditação desta manhã foi feita pelo Padre Jonas Abib, fundador da Comunidade “Canção Nova”, sobre o tema: “Deixa que o amor de Deus te transforme”.
Com um canto, em diversas línguas, o Bispo de Roma foi recebido na Basílica de São João de Latrão, por mais de mil sacerdotes, provenientes de diversas partes do mundo, entre os quais se encontravam alguns Cardeais, Bispos e Arcebispos, Diáconos e numerosas religiosas e seminaristas.
Em sua meditação, pronunciada espontaneamente em espanhol, o Papa tratou o tema “Transformados pelo amor e por amor”, dividido em cinco partes: “reunidos, reconciliados, transformados, fortificados e enviados”, com citações bíblicas e com base na sua Exortação Apostólica “Evangelii Gaudium” (“O Evangelho da Alegria”).
Como é belo, disse o Papa, ver Bispos e sacerdotes reunidos no amor e na caridade, e próximos ao Povo de Deus, como os primeiros discípulos e Apóstolos, que se reuniam em torno da Palavra de Deus, inspirados pelo Espirito Santo.
Além do numeroso clero presente, Francisco expressou sua alegria também por ver tantas mulheres, que participavam daquele momento de reflexão. Elas não são sacerdotes, ponderou, mas estavam presentes no Cenáculo, quando o Espirito Santo desceu sobre os Apóstolos. Elas representam o gênio feminino na Igreja; elas são uma graça. Não nos esqueçamos, disse o Papa, que a Igreja é mulher!
As mulheres presentes, afirmou o Bispo de Roma, são imagem e figura da Igreja e da Mãe da Igreja, Maria. E, aproveitando para agradecer a colaboração que prestam em âmbito eclesial, recordou: “A Igreja é Esposa de Cristo, logo a Igreja é Mulher, é Mãe do povo de fiéis cristãos”. Não é “feminismo”, explicou o Papa, dizer que Maria é bem mais importante que os Apóstolos.
Depois, recordando este dia dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, o Pontífice afirmou que os “sacerdotes” são transformados por amor, por amor trinitário. O chamado ao sacerdócio é, antes de tudo, um chamado de amor e a nossa resposta deve ser uma resposta de amor.
Quando um sacerdote esta apaixonado por Jesus se nota! Apesar de passar por momentos de dificuldade, ele se aproxima do sacrário e dialoga, com amor, com o seu Senhor… Trata-se de um dialogo de amor e não hipócrita. Este encontro amoroso com o seu Senhor, anima o sacerdote na sua missão e ministério. Por isso, o Papa acrescentou:
“O primeiro motivo para evangelizar é o amor de Jesus; o amor de Jesus que recebemos; é a experiência de sermos salvos por Ele, que nos incentiva e encoraja a amar sempre mais. Todo sacerdote tem suas debilidades, não obstante, Jesus o coloca a serviço do seu povo”.
Desta forma, disse o Bispo de Roma, é o amor que nos leva a evangelizar, a levar a mensagem de Jesus, a falar do seu Amado. Quando sentimos o desejo de comunicá-Lo aos outros, devemos dobrar os joelhos, recolher-nos em oração e pedir-lhe que volte a atrair-nos ao seu amor.
Assim, o sacerdote sente o carinho do Senhor, o busca, o ama e o transmite aos outros de modo genuíno e renovado. E exortou os sacerdotes a amar, a deixar-se amar, a abrir seus corações a Jesus e dizer-lhe: “Aqui estou, Senhor!”
Ao concluir sua meditação aos milhares de sacerdotes presentes na Basílica, o Santo Padre respondeu a algumas perguntas feitas por representantes de diversos países. Assim, o Papa passou à celebração da Santa Missa da solenidade do Sagrado Coração de Jesus! (MT)

Ano novo vida nova?

ano-novo-vida-nova



ANO NOVO





Católico, assim é a tua vida: “O tempo vem correndo e correndo vai-se embora. Numa das mãos traz os paninhos do teu berço e na outra a mortalha para o teu caixão. Homem orgulhoso, de que te ufanas?” (Petöfi).

Católico, mais UM ANO se PASSOU! O que você FEZ DELE? O que você FEZ do ANO de 2014? O que você fez de cada SEGUNDOMINUTO, HORA, DIASEMANA e MÊS do ANO de 2014?

Católico, mais UM ANO se PASSOU! O que você FEZ DELE? O APROVEITOU para ENTESOURAR TESOUROS no CÉU FAZENDO o BEM, ou JOGOU 365 DIAS FORA? No dia do JUÍZO, que poderá ser HOJE, Deus pedirá conta de CADA GRAÇA JOGADA FORA: “Àquele a quem muito se deu, muito será pedido, e a quem muito se houver confiado, mais será reclamado” (Lc 12, 48).

Católico, mais UM ANO se PASSOU! Você se preocupou somente em ENGORDAR SUA CONTA BANCÁRIA e AMPLIAR o seu COMÉRCIO. Quanta loucura! E a sua ALMA; você fez algo por ela ou a mesma anda RAQUÍTICA nas GARRAS de SATANÁS? “De fato, que aproveita ao homem se ganhar o mundo inteiro, mas arruinar a sua vida?” (Mt 16, 26).

Católico, mais UM ANO se PASSOU! Ele NÃO VOLTARÁ NUNCA MAIS, adeus 2014! Durante esse ano que passou, você foi um PORTADOR de DEUS ou PORTADOR do DEMÔNIO?

Católico, mais UM ANO se PASSOU! Você está tranqüilo para comparecer diante de Deus e prestar conta do ANO de 2014?

Católico, mais UM ANO se PASSOU! Quantas vezes você se aproximou da confissão nesse ano? Quantos terços você rezou? De quantas Missas você participou? Quantos jejuns você fez? Quantas boas obras você praticou? Quantas vezes leu a Bíblia e a vida dos santos?

Católico, mais UM ANO se PASSOU! Com CERTEZA a SUA VIDA ESTÁ MAIS CURTA e a MORTE MAIS PRÓXIMA: “A morte corre velocíssima sobre nós, e nós, a cada instante, corremos para ela” (Jó 9, 25).

FELIZ ANO NOVO!

Eis a SAUDAÇÃO VAZIA que sai da BOCA de todos: pobres e ricos, cultos e ignorantes, pretos e brancos, etc. Só de OUVI-LA causa REPUGNÂNCIA.

FELIZ ANO NOVO! Terá um FELIZ ANO NOVO aquele católico que não se preocupou em deixar os vícios junto com o ano velho?

FELIZ ANO NOVO! Terá um FELIZ ANO NOVO aquele que continua a CARREGAR SATANÁS em sua alma imortal?

FELIZ ANO NOVO! Terá um FELIZ ANO NOVO o católico que permanece em PECADO MORTAL, isto é, mergulhado nas trevas?

FELIZ ANO NOVO! Terá um FELIZ ANO NOVO aquele que vive a correr desesperadamente atrás dos bens materiais e com as costas voltadas para Deus?

Católico, para você ter um FELIZ ANO NOVO é preciso:

1. Expulsar o PECADO MORTAL de sua alma através de uma confissão auricular bem feita, e viver na GRAÇA SANTIFICANTE.

2. Fazer todo o BEM que estiver ao seu alcance.
3. Entrar no Ano Novo com fé firme em Cristo Jesus.
4. Entrar no Ano Novo com forte confiança em Jesus Cristo.
5. Entrar no Ano Novo com sérios esforços para alcançar as virtudes.
6. Entrar no Ano Novo com santo amor ao sacrifício.

Católico, seja sábio! Aproveite o Ano de 2015 para crescer na santidade. Cuidado! Não o jogue fora; quem sabe esse será o seu último ano de vida!