Santo Tomás de Aquino refutado os hereges

santo-tomas-de-aquino-refutado-os-hereges

Uma suposta refutação para as cinco vias de Santo Tomás de Aquino.
.
O autor considera o seguinte (ver item 3.3, do link):.a)
o argumento (do Ser necessário, de Santo Tomás) não considera a
possibilidade lógica de as coisas terem existido sempre, apenas se
transformando;
.
b) o argumento comete a falácia de composição, a qual consiste em atribuir que as partes é igual ao todo — o enunciado “para cada coisa houve um tempo em que não existiu” constitui uma referência e, o enunciado “houve um momento em que nada existia” pertence a uma outra referência; são referências de natureza diferentes e sem relação entre si.

Infelizmente o autor não discorre muito (por que será?). Não diz, por exemplo, porque que “são de naturezas diferentes e sem relação entre si”, apenas faz a afirmação.
Muito simples refutar:

.
1) Não existe efeito sem causa;
.
2)
Não existe infinito numérico. O infinito numérico ou infinito em
potência, ou infinito potencial, é um ser de razão. Não existe como ser
real.
.
Quando dizemos que não há efeito sem causa, chega até a ser meio redundante, se levarmos em conta que ao chamarmos algo de “efeito”,
já implicitamente deduzimos que se originou de algo, que teve um
agente causador. A questão discutida é se todas as coisas existentes
podem ser classificadas como “efeitos”.
.
A diferença está dada quando ele diz que se compara a parte ao todo: a afirmativa “para cada coisa existe um momento no tempo em que não existiu” refere-se a uma parte, a um corpo isolado, individual. Usar esta assertiva substituindo-se o “coisa” pelo “todo” leva
à conclusão de que então, se o todo hoje existe, algum dia o todo não
existiu. Para o autor, há um abuso lógico aqui, uma falácia.
.
Não existe falácia, pois em nenhum momento estamos tratando do “todo”, mas de cada coisa.
.
Estamos
falando do ser em geral, mas do ser que se manifesta em cada coisa. O
universo é apenas um conjunto de substâncias que se reúnem
acidentalmente. Por isso, não faz sentido se falar em “Causa do
universo” ou “Causa do todo”, pois não existe o Universo como uma
unidade essencial. Provando assim que, cada coisa não existe por si
mesma, há que se supor uma Causa que exista por si mesma, para cada uma
delas.
.
A
razão nos indica que essa Causa tem que ser a mesma para todas, pois,
se não fosse única a Causa de todas, teria ela o mesmo defeito de
todas, pois só o ato puro, em que não há absolutamente nenhuma
potência, em que a essência é idêntica à existência, pode sustentar toda
sorte de causas. Se não fosse único, lhe faltaria algo, teria
potência, sua essência não seria idêntica à sua existência, logo, não
poderia ser a primeira de nenhuma série de causas.
.
O que o infinito numérico tem a ver com isso, se é uma idéia abstrata?
.
Quando
dizemos que não há efeito sem causa, isso é só uma maneira mais
grosseira de enunciar esse axioma. Em se tratando de filosofia, às
vezes, as sutilezas podem prejudicar a compreensão. Por exemplo, se nós
falassemos aqui que a potência não passa ao ato sem que haja uma causa
eficiente, ou que nada pode ser causa eficiente de si mesmo, talvez
isso soasse estranho a algumas pessoas menos familiarizadas com esses
termos.
.
A respeito do infinito numérico, ela é uma refutação ao Marcus Valério XR, famoso pelo seu site “Filosofia Exeriana”:
.
Eles
não abordaram o que para mim é a maior falha do argumento, o que
afirma que uma sucessão infinita de coisas movidas por outra é
impossível. Por que essa sucessão infinita e impossível?

.
Uma
vez, eu usei esse argumento contra um ateu: Disse a ele que o infinito
numérico não existia na realidade, e que eu era completamente cético
quando a existência de uma quantidade infinita de seres contáveis no
mundo real. Ele até hoje não me provou a existência real do tal
infinito numérico.

.

Pode-se
supor o infinito de duas maneiras: o infinito em ato e o infinito em
potência. O infinito em potência é um ente de razão; na realidade, nunca
passaria ao ato, pois sempre haveria de se acrescentar mais um número.
Não tem como ter existência real, pois a realidade existe,
independente da nossa percepção, se contarmos os elementos ou não. Por
isso, esse infinito se diz “em potência”.
.
Santo
Tomás mostra que a possibilidade lógica das coisas terem existido
sempre não repugna à razão, já que também não repugna à existência de um
Ser necessário. Pela razão, o mundo poderia ter existido sempre,
embora, pela fé, afirmemos que, de fato, não o foi; não que não o
poderia.
.
E
por que não repugna à existência de Deus o mundo ter existido sempre,
uma vez que é completamente contrário à razão que uma determinada série
causal regrida ao infinito? Porque cada causa é indispensável à
existência de suas sucessivas, mas, quando não há essa relação de subordinação entre uma causa e outra, não repugna à razão que Deus a tenha feito existir desde sempre:
.
Primeiramente
assim: nenhuma causa que produz seu efeito de modo instantâneo precede
necessariamente a seu efeito em duração. Deus porém é causa que produz
seu efeito não por moção, mas instantaneamente. Não é necessário,
pois, que preceda em termos de duração a seu efeito.

.
(…)
Logo, com muito mais razão Deus, que produz toda a substância da
coisa, pode fazer que seu efeito seja em cada momento em que Ele seja.

.
Mas,
por que Santo Tomás, sabedor, pela fé, de que o mundo não existiu
sempre, se propõe a provar que este poderia ter existido sempre, caso
Deus o quisesse? Pois ele entendia que defender a fé com argumentos
fracos era torná-la ridícula aos olhos dos incrédulos:

Es útil que se tenga esto presente a fin de que, presumiendo de poder demostrar las cosas que son de fe, alguien presente argumentos no necesarios y que provoquen risa en los no creyentes, pues podrían pensar que son razones por las que nosotros aceptamos las cosas que son de fe. (S. Th., Ia, q.42, a.2, C)
.
É
como imaginar algo que não tem forma, pois algo disforme ainda assim é
forma e não informe. A matéria, para o tomismo, é a pura potência. A
quintessência seria o elemento constituinte dos astros, no mundo
supralunar. Atualmente, é teoria abandonada pela astronomia, bem como a
teoria dos quatro elementos (água, terra, fogo e ar).
.
O
argumento ontológico – Santo Anselmo – é um sofisma: Deus é um ser
infinitamente perfeito. A existência é uma perfeição. Então, a
existência tem que fazer parte da essência divina. Logo, Deus existe.
.
Santo
Tomás encontra nesse argumento dois defeitos. O primeiro, secundário, é
o de nada valer contra quem não entenda, pela palavra Deus, um ser
infinitamente perfeito. O segundo é essencial; o de haver nele uma
passagem ilegítima da ordem lógica para a ordem real. Quando pensamos
num ser perfeitíssimo, temos de fato de o pensar existente, pois, se não
existisse, lhe faltaria essa perfeição. Mas disto só podemos concluir
que um ser perfeito não pode existir em potência. Não podemos concluir
que realmente exista, fora do nosso pensamento.
.
A
contrapartida tomista para o argumento ontológico – essa sim
estruturada a partir das criaturas e não da essência divina, que não
conhecemos – é a prova da contingência (terceira via).
.
Uma  palavra do filósofo Rui Ribeiro Machado sobre a questão:
.

As
cinco vias são provas incluídas dentro de todo um edifício filosófico
que garante a sua veracidade. Infelizmente, procura-se refutar o
núcleo, esquecendo-se de todo o edifício que já foi construído e que o
sustenta. A idéia do círculo vicioso é reclamada pelos ateus que dizem
que o axioma “tudo o que existe tem uma causa” não
se aplica a Deus, logo Deus deveria ter uma causa. Todavia, eles não
partem da análise mais minuciosa do ser, que distingue entre ato e
potência, e assim não percebem que Deus é o ato puro, o ser puro, e o
ser não precisa de causa. Quem precisa de causa é a mudança. 

.
Por
exemplo, na questão da natureza autônoma, simplesmente é irracional
pensar que a natureza se organize por acaso; o autor parece ter uma
idéia errônea acerca do acaso. Acaso não é nada mais do que um encontro
de duas causas. Num encontro de causas, tudo quanto, no efeito, há de
positivo, de real, de ser, é devido à ação das causas que para ele
concorreram, e não do acaso.
” MACHADO, Rui Ribeiro. Extraído do grupo de discussões do Google+ Apologética Católica
.
Aristóteles
e os escolásticos ensinaram que o conhecimento abstrato e universal
deve ser imaterial, e acho que nesse ponto há um ótimo argumento. Mas
antes deve-se demonstrar que os conceitos não são inteiramente
produzidos pelos sentidos e pela imaginação (processo de formação de
imagens).
.
É
raro encontrarmos aqueles ateus que tem a mente e o coração abertos,
dispostos a ser convencidos pela verdade. Mas mesmo na internet é
possível encontrá-los, e essa é a primeira característica que precismos
identificá-los: se eles estão dispostos a aceitarem a verdade, ainda
que preferissem que ela fosse outra.
.
Ao
falar com ateus, lembre-mos de ser manso e mostrar sincera disposição
para ajudá-los. Sabemos que às vezes é muito difícil manter a calma
diante da arrogância e desonestidade de alguns ateus, mas tenha fé que
ao menos uma pessoa terá bom senso. Apesar de muitos ateus definirem-se
como “racionais”, apenas alguns são realmente sensatos, e são esses que conseguirão te ouvir.
.
Se
encarar um debate voltado para a ciência, lembre-mos que a ciência
moderna nasceu na Igreja, que não há conflito entre ciência e fé, e que
teorias como o Big-Bang e Evolução não são incompatíveis com o relato
bíblico da criação.
.
Rezem
por todos, mas mantenha o foco naqueles que buscam a verdade e tem
honestidade para reconhecê-la quando apresentada. Assim, com mais
ajuda, vocês poderão, com a ajuda de Deus, tocar mais corações.
.
Referências:
.
JOLIVET, Regis. Tratado de Filosofia: Moral. Rio de Janeiro: Agir, 1966.
.
SIMON, René. Moral: Curso de Filosofia Tomista. Barcelona: Herder, 1968.
.
“Curso de Filosofia” do Decano da Faculdade de Lyon, autor Regis Jolivet.
.
Padre Leonel Franca: “O Problema de Deus”.
.
Maritain “Caminhos para Deus”
.
Síntese Tomista, do Padre Dezza

Download Católico

Livros sobre a História da Igreja

livros-sobre-a-historia-da-igreja

A Igreja, que é “a coluna e sustentáculo da verdade”

(1Tm 3,15), guarda fielmente a fé uma vez por todas
confiada aos santos (Cf. Jd 1,3). É ela que conserva a
memória das Palavras de Cristo, é ela que transmite
de geração em geração a confissão de fé dos
apóstolos. Como uma mãe que ensina seus filhos a
falar e, com isso, a compreender e a comunicar, a
Igreja, nossa Mãe, nos ensina a linguagem da fé para
introduzir-nos na compreensão e na vida da fé.
Lente Geral da História Eclesiástica
Frei Dagoberto Romag O.F.M.
Livros de 1941 – 1950
História da Igreja – Vol. I
A Antiguidade Cristã

História da Igreja – Vol. II
A Idade Média

História da Igreja – Vol. III
A Idade Moderna

A Igreja Católica alterou os Dez Mandamentos? (Parte II)

a-igreja-catolica-alterou-os-dez-mandamentos-parte-ii

Mestre, qual é o maior mandamento da lei? Respondeu Jesus: Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de todo teu espírito. Este é o maior e o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás teu próximo como a ti mesmo. Nesses dois mandamentos se resumem toda a lei e os profetas” (Mt 22,36-40).

Introdução

Uma das armadilhas utilizada pela Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) para aliciar os católicos menos instruídos é acusar a Igreja Católica de ter alterado os Dez Mandamentos. Para a IASD, o Decálogo é irrevogável, portanto deve ser guardado para sempre. Conseqüentemente, segundo eles, as igrejas protestantes também erram, pois também não guardam o Decálogo em toda sua inteireza, pois guardam o Domingo e não o Sábado. E então? Quem está com a razão?
A concepção Adventista da reforma da Lei por Cristo
A IASD possui uma doutrina orientada ao legalismo do AT. Embora ela creia no Sacrifício Salvífico de Cristo e na Graça Santificante do Espírito Santo, a IASD não entende que Cristo veio trazer a Antiga Lei à perfeição, mas Sua reforma consistiu somente em abolir as observâncias que eles chamam de cerimoniais.
Estas concepções não são oriundas do final do séc. XIX quando surgiu a IASD. Nada mais são do que a retomada de uma antiga heresia, o Montanismo. Já em meados do séc. II Montano, um ex-sacerdote de Apolo e “converso” ao catolicismo, difundia tal ensino, criando o que os estudiosos chamam de Montanismo ou Heresia Montanista (1).
Montano foi motivado por uma volta iminente de Cristo (inclusive com data marcada…), era tido como profeta de Deus e seus escritos e instruções eram considerados inspirados pelo Espírito Santo. Dos seus seguidores exigia fé incondicional e obediência. Sua doutrina era de uma moral muito rígida, além obrigar seus seguidores a várias orientações alimentares. Será que a semelhança com a sra. Ellen G. White é mera coincidência?
O Decálogo e a sua vigência
O Decálogo (Dez Mandamentos) são os dez princípios morais e fundamentais de toda Lei que Deus deu a Moisés no Sinai (Ex 34,27-30).
Cristo nos ensinou que “A lei e os profetas duraram até João. Desde então é anunciado o Reino de Deus, e cada um faz violência para aí entrar” (Lc 16,16). Isto deixa mais que claro que o legalismo do AT não está mais vigente para os Cristãos, que vivem um tempo de Graça no Espírito Santo.
Os Adventistas, no entanto, entendem que há uma distinção entre o Decálogo e as Leis Levíticas (ou Torah). Para eles as últimas foram abolidas por Cristo, mas os Dez Mandamentos porque estavam dentro da Arca da Aliança são irrevogáveis.
Interessante notar que os Adventistas para sustentarem a teoria da eternidade dos Dez Mandamentos, se referem às seguintes palavras do Senhor: “Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição” (Mt 5,17).
Ora, se para eles a palavra “lei” neste versículo se refere ao Decálogo, por que então em Lc 16,16 ela só se refere à Torah? Que exegese é esta da qual se servem os Adventistas?
O fato é que mesmo que adotemos a malabarística exegese adventista para Mt 5,17, isso ainda nos impede aceitar o caráter irrevogável dos Dez Mandamentos. Os Adventistas querem propor que os guardemos como estão nos livros do Êxodo e Levítico. Ora, se Cristo disse que iria levá-los à perfeição, significa que antes não eram perfeitos. Se não eram perfeitos então porque deveríamos aguardá-los como lá estão?
E se a perfeição da Lei é a abolição das ordenanças “cerimoniais”, que não estão no Decálogo, então Jesus não aperfeiçoou em nada os Dez Mandamentos, apenas aboliu a Torah. E se este for o caso, como então a palavra “lei” se aplica somente ao Decálogo?
Aí os Adventistas têm que dar um verdadeiro “nó em pingo d´àgua” para solucionar as inconsistências de suas proposições.
A reforma da Antiga Lei por Cristo
Para compreendermos a reforma na qual Cristo se referiu em Mt 5,17, devemos pontuar a unicidade de todas as ordenanças divinas. Para os antigos Judeus não havia qualquer distinção entre os Dez Mandamentos e a Torah. É o que testifica um especialista no assunto, o sr. Félix Garcia Lopes:
O Talmude, a propósito de um ponto em discussão, lembra: ‘A lei mandava recitar todos os dias os dez mandamentos. Por que não os recitam mais, hoje? Por causa das maledicências dos minim [os dissidentes]; para que estes não possam dizer: ‘Estes somente foram dados a Moisés, no Sinal’ (Talmud Jer. Berakot 1 ,3c). Segundo estes minim, Deus só pronunciou os dez mandamentos (Dt 5,22); as outras leis são atribuídas a Moisés. A recitação diária do decálogo, na oração comunitária, favorecia indiretamente esta idéia de que provocava certo desprezo pelas outras leis. A fim de evitar este mal-estar,o judaísmo ortodoxo – talvez nos círculos de Iabne [ou Jâmnia], no fim do século 1 d.C. -suprimiu do serviço sinagogal cotidiano a recitação do decálogo (2).
Isto também pode ser atestado nas próprias palavras de Jesus ao Jovem Rico (cf. Mt 22,36-40; Mc 10,17-20;) e no Sermão da Montanha (cf. Mt 5-7).
Devemos primeiro entender a motivação da Lei, isto é, a razão de sua existência. Escrevendo aos Gálatas, comunidade formada principalmente por cristãos vindos do judaísmo, assim São Paulo se expressa:
Antes que viesse a fé, estávamos encerrados sob a vigilância de uma lei, esperando a revelação da fé. Assim a lei se nos tornou pedagogo encarregado de levar-nos a Cristo, para sermos justificados pela fé. Mas, depois que veio a fé, já não dependemos de pedagogo, porque todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo” (Gl 3,23-26).
Como podemos ver, São Paulo diz que a Lei de Moisés tinha como objetivo orientar para Cristo. Isso era possível porque dava consciência de que homem era pecador, transgressor da Vontade de Deus. Deus manifestou em Sua Lei aquilo que o homem não conseguia ver em seu próprio coração (cf. CIC no. 1962).
No entanto, a antiga Lei não comunicava ao homem a Graça do Espírito Santo necessária para agradar a Deus. Ela apontava para o pecado, mas não era capaz de justificar o homem. Por isso, São Paulo também ensinou aos cristãos vindos do judaísmo:
Mortos pelos vossos pecados e pela incircuncisão da vossa carne, chamou-vos novamente à vida em companhia com ele. É ele que nos perdoou todos os pecados, cancelando o documento escrito contra nós, cujas prescrições nos condenavam. Aboliu-o definitivamente, ao encravá-lo na cruz” (Cl 2,13-14).
Que documento é este do qual São Paulo fala que condenava os judeus? Era a própria Lei que acusava a consciência, mas não comunicava a Graça Santificante.
A doutrina paulina sobre os Dez Mandamentos
Como já apresentamos, a vigência da Antiga-Lei era um ministério de condenação, enquanto o ministério de Cristo é Graça no Espírito Santo. Por esta razão, São Paulo escreveu aos Coríntios:
Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de tal glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face (embora transitório), quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito! Se o ministério da condenação já foi glorioso, muito mais o há de sobrepujar em glória o ministério da justificação! Aliás, sob esse aspecto e em comparação desta glória eminentemente superior, empalidece a glória do primeiro ministério. Se o transitório era glorioso, muito mais glorioso é o que permanece!” (2Cor 3,7-11) (grifos meus).
Nestas palavras do Apóstolo se desfaz a doutrina da irrevogabilidade do Decálogo. Enquanto os adventistas ensinam que devemos ainda observar a letra dos Dez Mandamentos (e aí que se fundamenta a doutrina deles sobre o Sábado), São Paulo diz que é “transitório”. Ora, algo que é transitório não pode jamais ser permanente. É transitório porque algo virá a sucedê-lo.
Aí os adventistas com a sua “exegese” afirmam que São Paulo estava se referindo à Lei de Moisés e não aos Dez Mandamentos. Ora, o que foi “gravado com letras em pedra”? Foi o Decálogo ou a Lei Mosaica?
A Escritura não deixa dúvidas de que o Apóstolo estava se referindo aos Dez Mandamentos. Em 2Cor 3,7-11, São Paulo se refere a um evento registrado no Êxodo:
Moisés ficou junto do Senhor quarenta dias e quarenta noites, sem comer pão nem beber água. E o Senhor escreveu nas tábuas o texto da aliança, as dez palavras. Moisés desceu do monte Sinai, tendo nas mãos as duas tábuas da lei. Descendo do monte, Moisés não sabia que a pele de seu rosto se tornara brilhante, durante a sua conversa com o Senhor. E, tendo-o visto Aarão e todos os israelitas, notaram que a pele de seu rosto se tornara brilhante e não ousaram aproximar-se dele” (Ex 34,28-30) (grifos meus).
Como se vê o principal fundamento da doutrina adventista está alicerçado sobre a falsa doutrina da irrevogabilidade dos Dez Mandamentos. Querem sustentar sua falsa doutrina ignorando os escritos paulinos e criando uma imaginária separação entre lei moral e lei cerimonial.
Os Dez Mandamentos no Catecismo da Igreja Católica (CIC)
A antiga Lei ensinava o princípio do “olho por olho e dente por dente” (cf. Ex 21,24; Lv 24,20; Dt 19,21). Porém, Cristo nos ensina a dar a face àqueles que nos batem (cf. Mt 5,39). Podemos perceber nisto um indício da perfeição que Cristo prometeu que daria à Lei.
Um outro exemplo é a exposição do Senhor no Sermão da Montanha (cf. Mt 5-7), culminando no resumo de toda Lei em duas ordenanças apenas:
Mestre, qual é o maior mandamento da lei? Respondeu Jesus: Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de todo teu espírito. Este é o maior e o primeiro mandamento. E o segundo semelhante a este, é: Amarás teu próximo como a ti mesmo. Nesses dois mandamentos se resumem toda a lei e os profetas” (Mt 22,36-40) (3).
Nos parágrafos 1961 a 1964, o CIC explica a Lei e seu aperfeiçoamento prometido por Cristo. Depois nos parágrafos 1965 a 1974, o Catecismo expõe sobre a Nova Lei, a Lei da Graça. É aqui que a Igreja Católica apresenta uma interpretação dos Dez Mandamentos, não segundo a Antiga Lei, mas conforme a Nova Lei inaugurada por Cristo, a Lei da Graça. A proposta da Igreja no CIC era mostrar como aqueles princípios universais expostos na Antiga Lei se aplicariam na Nova Lei.
Se por isto os Adventistas acusam a Igreja de alterar os Dez Mandamentos, porque também não acusam a Cristo, se foi Ele que primeiro o fez?
Conclusão
A acusação adventista à Igreja Católica procede de um princípio falso: a irrevogabilidade do Decálogo. Falso porque o que é irrevogável não tem vigência definida (cf. Lc 16,16), não precisa ser levado à perfeição (cf. Mt 5,17) e nem é transitório (cf. 2Cor 3,7-11).
Os Dez Mandamentos conforme constam no CIC é uma visão dos seus princípios à Luz da Nova Lei inaugurada por Cristo Nosso Senhor.
Enquanto os Adventistas propõe uma doutrina tendo como base as tábuas de pedra, que para eles são os únicos mandamentos de Deus, São Paulo ensina que os verdadeiros cristãos são “uma carta de Cristo, redigida por nosso ministério e escrita, não com tinta, mas com o Espírito de Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, isto é, em vossos corações” (2 Cor 3,3).
Infelizmente os adventistas estão aprisionados na letra do Decálogo. Isto me lembra as seguintes palavras de São Paulo:
Tal é a convicção que temos em Deus por Cristo. Não que sejamos capazes por nós mesmos de ter algum pensamento, como de nós mesmos. Nossa capacidade vem de Deus. Ele é que nos fez aptos para ser ministros da Nova Aliança, não a da letra, e sim a do Espírito. Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica” (2 Cor 3,4-6).
Nós Católicos continuaremos fiéis do Depósito da Fé que os Santos Apóstolos confiaram à Igreja Católica.

Por Prof. Alessandro Lima.

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Livro Padre Júlio Maria de Lombaerde – O Anjo das Trevas

livro-padre-julio-maria-de-lombaerde-o-anjo-das-trevas

Lampejos de Doutrina, de Ciência e de Bom Senso
Padre Júlio Maria de Lombaerde
Missionário de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento
Livro de 1950 – 288 págs.

Parece que o fim dos tempos está se aproximando e que o demônio tem pressa em aproveitar o tempo para perder a humanidade.

Ou não percebe também o leitor aquele furacão de revolta, de sensualidade, de ódio, de desatinos que vai pelo mundo.

É o anjo das trevas que se agita e se desdobra em atividade febril para fomentar o mal e levar a perdição por toda a parte.

Não aparece pessoalmente (a não ser em casos raros), mas tem os seus representantes conscientes e inconscientes.

São autênticos agentes do anjo das trevas;

O espiritismo, que é um produtor de loucura;
O protestantismo, dito de ódio;
A maçonaria, de revolta;
O divorcismo, de discórdia;
O sensualismo, de libertinagem;
O comunismo, de escravidão.

Eis a sêxtupla praga com que o anjo das trevas ataca hoje o eterno rochedo da Igreja, procurando derrubar suas instituições e abalar os seus princípios.

Refutar os erros dessas seitas, demonstrar as falsidades de suas doutrinas, orientar as pessoas sensatas contra tais teorias a que muitas vezes dão o aparato de ciência — eis o objetivo desta obra.
Não são lampejos, mas um farol de luz orientadora.

E tudo escrito em estilo fácil, compreensível ao povo, com amenidade e vivacidade, entremeada de casos concretos e seus comentários.

É destes livros que precisa o nosso povo. Dirige-se a todos que, leais e sinceros, querem conhecer a verdade que ilumina a inteligência, estimula a vontade, orienta o coração, forma o caráter.

Não é uma frase única: é uma serie de teses de palpitante atualidade e tomadas no flagrante da vida.
É o clarão da vida, no meio de múltiplos erros que o anjo das trevas vai semeando.

Leiam-no todos. É, além disso, ótimo repositório para o preparo de discursos e conferências de atualidade em associações e círculos de estudo.

———————————————————————————————————-
O livro “O Anjo das Trevas” do Padre Júlio Maria de Lombaerde, aponta a estrutura das relações com o projeto de instauração de uma única cristandade e como estrutura básica e sólida o Concílio de Trento. Quem se afasta desta doutrina se afasta da verdade revelada perde a vida da graça.

Está obra está cheia da Doutrina, Ciência e Bom Senso Contra os Erros Modernos, conclamam os fiéis católicos a lutar contra os “inimigos” da Santa Igreja, em cujas fileiras estavam o protestantismo agora que se ajuntam a esses erros os modernistas.

Índice do livro:

Introdução

Capítulo I – O que é um protestante
Capítulo II – Porque os protestantes protestam
Capítulo III – Contra o que os protestantes protestam
Capítulo IV – Como os protestantes protestam
Capítulo V – As contradições dos protestantes protestando
Capítulo VI – Os protestos dos protestantes
Capítulo VII – Devemos orar à Virgem Maria
Capítulo VIII – A Imaculada Conceição
Capítulo IX – Os supostos irmãos de Jesus
Capítulo X – São Pedro era celibatário
Capítulo XI – Porque o padre não se casa
Capítulo XII – São Pedro em Roma
Capítulo XIII – O Papa, sucessor de São Pedro
Capítulo XIV – A Confissão
Capítulo XV – A Eucaristia
Capítulo XVI – Os Sete sacramentos
Capítulo XVII – O culto das imagens
Capítulo XVIII – O Purgatório, o limbo, o culto dos mortos
Capítulo XIX – O único Mediador
Capítulo XX – Jejum e abstinência
Capítulo XXI – O Batismo
Capítulo XXII – Mudança de religião
Conclusão geral

Download Católico

Padre Paulo Ricardo refutando as heresias do vocalista da Banda Rosa de Saron (Vídeo)

padre-paulo-ricardo-refutando-as-heresias-do-vocalista-da-banda-rosa-de-saron-video

Herege ou ignorante? A declaração do Guilherme Sá, vocalista da banda ‘católica’ Rosa de Saron ainda está causando polêmica.

Se quiserem, seguem os links dos vídeos originais.

Padre Paulo – A Jornada Mundial da Juventude e as palavras de Francisco http://www.youtube.com/watch?v=GtqPGM63bzs

Rosa de Saron – Encontro com Fátima Bernardes – ‘A Palavra Chave é Respeito’ http://www.youtube.com/watch?v=Bdc0Y3i5QnQ

Download Católico

Vaticano anuncia aumento de católicos em 15 milhões em todo o mundo

vaticano-anuncia-aumento-de-catolicos-em-15-milhoes-em-todo-o-mundo

O número de católicos aumentou 15 milhões em todo o mundo em 2010 face a 2009 para se cifrar em 1,196 mil milhões, graças a aumentos registados em África e na Ásia, anunciou o Vaticano, segundo um comunicado oficial com base no anuário pontifício 2012 no plano geográfico.


A presença dos católicos diminuiu na América Latina (de 28,54 por cento em 2009 na região para 28,34 por cento em 2010), mas o fenómeno foi ainda mais forte na Europa (de 24,05 por cento em 2009 para 23,83 por cento em 2010).                         
Inversamente, os católicos ganharam terreno em África, onde a presença destes passou de 15,15 por cento em 2009 para 15,55 por cento em 2010, e no sudeste asiático, onde passou de uma presença de 10,41 por cento em 2009 para 10,87 por cento em 2010.


Nestes dois últimos anos, a proporção de católicos batizados manteve-se estável à escala mundial em 17,5 por cento, segundo o anuário pontifício apresentado ao papa Bento XVI pelo número dois do Vaticano, monsenhor Tarcisio Bertone e o adjunto deste na Secretaria de Estado, monsenhor Angelo Becciu.

O anuário fornece também uma série de dados sobre o número de bispos, de religiosos, de padres, de estudantes em filosofia religiosa e em teologia em todo o mundo e sobre as 2.996 circunscrições eclesiásticas do planeta.

As estatísticas indicam assim um aumento de 0,77 por cento do número de bispos em 2010, que passaram de 5.065 em 2009 para 5.104 em 2010 e confirmam o aumento de número de padres e religiosos iniciado em 2000.

O número de padres e religiosos aumentou de 410.593 em 2009 para 412.236 em 2010. O número de padres registou um forte acréscimo em 2010 face a 2009 na Ásia (mais 1.695 padres) e em África (mais 761 padres) enquanto diminuiu nitidamente na Europa (menos 905 padres).

Nos últimos cinco anos (2005-2010), o número de estudantes em filosofia ou teologia nos seminários diocesanos ou religiosos aumentou 4 por cento, ao passar de 114.439 pessoas em 2005 para 118.990 em 2010, indica também o anuário pontifício.

Outro dado concreto referente às vocações é de que os seminaristas (futuros padres ou religiosos) estão a diminuir na Europa (menos 10,4 por cento num ano) e nas Américas (menos 1,1 por cento) e a aumentar em África (mais 14,2 por cento), na Ásia (mais 13 por cento) e na Oceânia (mais 12,3 por cento).

Orgulho Prometéico

orgulho-prometeico

Hoje em dia o pensamento gnóstico toma conta das mentes, em qualquer parte do mundo. Ésempre aquela historinha de “vamos pensar positivo, vamos mentalizar um mundo melhor”, “vamos acreditar num mundo de paz”, e coisas do tipo. Buscam uma autonomia suicida. É bem como disse o professor Angueth em um post que recomendo a leitura:

A “Árvore da ciência do bem e do mal”, diz os comentários da minha Bíblia,[1] é um símbolo “da faculdade de determinar o que é bem e o que é mal, privilégio reservado a Deus, única norma suprema à qual todas as leis e a consciência dos homens devem submeter-se. Os progenitores tentaram usurpar, com o pecado, esse privilégio de Deus. Visaram a ter a faculdade de decidirem por si mesmos o que é bom e o que é mau, sem ter que depender de Deus e assim a se tornarem autônomos moralmente. Com essa autonomia o homem negava o seu estado de criatura e subvertia a ordem estabelecida por Deus.”
Eu já vi esse tipo de coisa por aí. Já ouvi gente dizendo algo como “você não pode deixar os hormônios tomarem conta de você assim, não fique para baixo, lute, alegria!”, como se fosse possível mudar os hormônios no corpo somente com “pensamento positivo”. Sim, a intenção dela era essa, a de fazer a pessoa “mentalizar de forma positiva” para não ser atingida pelas mudanças hormonais (coisa que acontece bastante com a mulher!).
Esse tipo de atitude esconde mesmo um orgulho grande. É uma atitude de que está se rebelando contra as leis de Deus, embora possa passar aos outros a idéia de ser alguém religioso ou “místico”. É pura enganação. Essas pessoas se iludem e caminham cegas tentando guiar outros cegos. É horrível de se ver. Elas querem decidir o que é bem e o que é mal. Por isso admiram os Prometeus da vida, correm da Igreja como o Diabo foge da cruz.
Também já ouvi de um parente – espírita – isso: “eu sempre tive medo de [ao rezar o Pai-Nosso] dizer a parte ‘seja feita a Vossa vontade’”. Disse isso porque tem medo da vontade de Deus. Ele não se dobra aos juízos divinos e pensa poder controlar a própria vida “construindo seu carma”.
Essas pessoas, muito orgulhosas, não querem se submeter às Leis de Deus. Por isso defendem falsas doutrinas, iludindo-se e iludindo outros incautos.
Pensam que o “pensar positivo” os torna livres e esquecem que isso só consegue quem encontrar A Verdade.
“Eu Sou O Caminho, A Verdade e A Vida”, disse Nosso Senhor Jesus Cristo. Mas esses gnósticos ainda ousam dizerem-se cristãos, mesmo que não sigam nada do que o Cristo ensinou. Cadê que eles seguem Pedro, instituído por Ele como pedra de Sua Igreja? Cadê que eles seguem os Apóstolos? Correm todos da Igreja, inventam para si novidades, vivem infelizes com um tremendo peso nos ombros achando que podem mudar suas vidas se mentalizarem mais sobre coisas boas. E quando não conseguem o que querem pensam “é meu carma”. Que tristeza! Apegam-se ao absurdo de achar que podem mover suas vidas de acordo com suas idéias corrompidas, e que nós cristãos, somos seres “atrasados”, “negativos”, que seremos todos tragados por algum planeta X onde purgaremos nossas faltas e esse mundo aqui será deles, os “evoluídos”. E ficam fazendo “mentalizações”, “pensando positivo”, à espera de alguma mudança neste ano de 2012.
Essa atitude rebelde é um verdadeiro “orgulho prometéico”.
Nossa Senhora
convertei os gnósticos modernos!

Download Católico

Testemunho de Conversão Scott Hahn – Ministro protestante se converte ao catolicismo

testemunho-de-conversao-scott-hahn-ministro-protestante-se-converte-ao-catolicismo

Autor: Scott Hahn
Tradução: Jaime Francisco de Moura
Muito obrigado. É muito bom estar com vocês. Eu nunca deixo a oportunidade de mostrar e compartilhar por que eu me tornei um Católico, e como Deus trabalhou em minha vida, na vida de minha esposa, e minha família.
Isso é o que eu gostaria de compartilhar com vocês agora. Começo com uma experiência de conversão que eu tive na escola secundária. Eu não cresci em uma família Cristã forte. Nós não fomos muito de igreja, e assim eu não era muito religioso. O que Deus usou em minha vida era um organização chamada Vida Jovem, sob a direção de Jack, uma pessoa que muito me ajudou, na escola secundária de crianças.
Depois me ensinaram a amar a Deus e a ler a Bíblia. Até que eu estivesse terminando a escola secundária, eu tinha lido a Bíblia duas ou três vezes em sua totalidade. E eu tinha me apaixonado pela Bíblia Sagrada. Como resultado disso me convenci de muitas coisas.
Primeiro, além de ler a Bíblia, Jack tinha compartilhado comigo de sua própria biblioteca pessoal e os escritos de Martinho Lutero, João Calvino, e me tornei um Cristão protestante convencido, não só um Cristão com a bíblia, mas alguém que foi convencido que até 1500, o Evangelho tinha estado perdido entre o período medieval, com superstições e práticas pagãs que a Igreja católica tinha adotado. E assim esta primeira convicção era ajudar meus amigos católicos para o Evangelho de Jesus Cristo, lhes mostrar a Bíblia, e para mostrar para eles que na Bíblia, você aceita Jesus como Salvador e isso era tudo. Não Maria, não os Santos, não purgatório, não devoções etc.
Naquele tempo eu estava saindo com uma menina que era católica, e nós estávamos ficando com um namoro sério. Mas eu imaginava que não havia nenhum futuro em nossa relação se ela permanecesse católica. Assim eu dei a ela, um livro de Loraine Boettner intitulado Catolicismo romano. O livro era conhecido como a bíblia do Anti-catolicismo. Era quatrocentos e cinqüenta páginas que encheram de todos os tipos de distorções e mentiras sobre a Igreja Católica. Mas eu não soube que na ocasião, eu compartilhei isto de boa fé com ela. Ela leu do princípio ao fim. Ela me escreveu dizendo, “obrigada pelo livro; Eu nunca voltarei contigo novamente.” Eu figurei que se a bolacha na que eles estão adorando no altar não é Deus, então eles são os idólatras, eles são os pagãos. Se o Papa em Roma não é infalível, e sim um tirano. Ele é um simples ditador espiritual.
O único católico em minha família em ambos os lados era minha amada avó. Ela era muito quieta, muito humilde, muito santa, eu tenho que admitir. Ela também era uma católica devota. Quando faleceu, os pertences religiosos dela foram doados a meus pais. Então eu achei as contas do rosário dela, e isto me fez ficar doente por dentro. Eu soube que minha avó teve uma fé real em Jesus, mas sabia que tudo isso era mau. Assim eu rasguei separadamente as contas do rosário. Eu pensei que essas contas era uma cadeia e que afinal ela estava quebrada livre. Isso era o segundo aspecto de minha própria perspectiva: que estas pessoas poderiam ter alguma fé mas há pouco eram rodeados através de mentiras, e assim eles precisavam amar a Bíblia.
Bem, depois de se formar na escola secundária, decidi não só eu procurar o ministério mas estudar teologia. A decisão veio como resultado do papel de pesquisa que eu escrevi no ano final dentro da escola secundária. Eu escrevi um papel intitulado “Sola Fide”. Isso é uma frase latina “Somente a Fé”. Era a frase que Martinho Lutero lançava na Reforma protestante. Ele disse que nós estamos justificados, nós estamos com Deus só pela fé, não por qualquer trabalho que poderíamos fazer. E para ele, isso era o artigo em qual a igreja estava em quedas. E por causa disso, a Igreja Católica caiu.. E assim eu entrei na faculdade com esta forte convicção.
Anos de faculdade
Nos meus quatro anos de faculdade, estudei profundamente a Filosofia, Teologia, Bíblia e Economia. Assim durante esses quatro anos eu me dediquei a alcançar as crianças que não souberam de Cristo, e eu confesso que esta categoria incluiu as crianças católicas na escola secundária onde eu trabalhei porque eu olhei para estas pobres almas de que realmente não souberam de Jesus Cristo. Eu descobri depois de vários estudos da Bíblia que não só estas crianças, mas praticamente todo católico adulto que encontrei não sabia o que a Igreja católica ensinava. Assim conseguindo que eles vissem a Bíblia, estava como apanhar patos em um barril. Eles não estavam prontos, eles eram desarvorados, eles eram indefesos.
No meu terceiro ano de ministério na Vida Jovem, eu perguntei para a menina mais bonita no campus, se ela me ajudaria trabalhando a localizar estas crianças, e ela disse “Sim.” Nós trabalhamos juntos durante dois anos, ás vezes nós discutimos vários modos e meios para alcançar estes crianças. Mas nós crescemos respeitando um ao outro de forma que ao término dos quatro anos de faculdade, eu fiz a pergunta. E a maior coisa que ela já disse foi “Sim.” Nós nos casamos. Tivemos a mesma visão, fizemos ministério junto, compartilhamos as boas notícias de Cristo.
Anos de seminário
Fomos para um seminário uma semana depois do nosso casamento. Depois de três anos eu me formei sendo o primeiro lugar de minha classe. Eu digo fora de qualquer orgulho, como eu procurei meus estudos com um tipo de vingança. Pessoas que me conheceram no seminário, me conheceu por ser bastante intenso. Eu gastava todo tempo lendo a Bíblia estudando os livros sobre Bíblia. Kimberly e eu tivemos uma grande experiência de três anos. Mas muitas coisas aconteceram no caminho que eu preciso relacionar porque em retrospecto eu os vejo como experiências.
A primeira coisa era um curso que Kimberly fez no primeiro ano, uma classe que eu tinha levado antes de Éticas Cristãs. Dr. Davis formou pequenos grupos de forma que cada grupo poderia estudar um tópico. Havia um grupo em aborto, um em guerra nuclear, um em pena de morte. Ela anunciou que estava em um grupo dedicado a estudar contracepção. Eu me lembro de pensamento na ocasião, “Por que contracepção? “
Ela disse, “Bem, três outros se inscreveram para isto e nós tivemos nossa primeira reunião hoje”. Fulano de tal anunciou os resultados de nosso estudo. Ele disse, bem, todos nós conhecemos como protestantes, que contracepção está bem. Ele anunciou que as únicas pessoas que se chamam Cristãos que opõem ao controle de natalidade artificial são os católicos, e a razão que eles fazem, é porque eles são corridos por um Papa celibatário.
Bem, aquele tipo de argumentação realmente não impressionou Kimberly. Ela disse, “esses são os melhores argumentos que você oferece?” e ela se interessou pesquisando isto por conta dela.
Assim eu elevei o assunto e ela me deu um livro. Foi intitulado Controle de natalidade e o Matrimônio por John Kippley. Eu comecei a ler o livro com grande interesse para meu próprio estudo pessoal, com o título de, “Controle de natalidade e a Convenção de Matrimônio”. Quando eu abri o livro e comecei a ler, eu disse, “Espere um segundo, Kimberly, este sujeito é um católico. Você espera que eu leia uma obra católica? “
Bem, eu comecei a ler o livro. Passei por dois ou três capítulos e ele estava começando a fazer sentido. Eu não queria francamente que ele fizesse sentido algum. Livro mostrava que o matrimonio não é só um ato físico; é um ato espiritual que Deus tem projetado no matrimonio e é sempre renovado. Terminei de ler o livro, e fiquei convencido.
Fiquei um pouco aborrecido, porque a Igreja católica era a única denominação, que sempre defendeu esses ensinamentos, pois em 1930 a Igreja anglicana, que mantinha os mesmos ensinamentos, quebrou esta tradição e permitia a contracepção. Antes de 1960 e 70, minha própria denominação, a Igreja presbiteriana nos Estados Unidos da América, não só endossou a contracepção, mas também o aborto, e isso me intimidou.
Durante o ano final no seminário, aconteceu algo que representou uma crise para mim. Eu estava estudando convenção e eu ouvi de outro teólogo, que ensina no Seminário de Westminster. Eu ouvi um Pastor que estava sendo acusado de heresia. Pessoas estavam sugerindo que a heresia dele cresceu fora da compreensão da convenção. Ele estava questionando a “Sola Fide”.
Eu o chamei no telefone e disse,. Mas porque você está duvidando de Lutero e da doutrina “sola fide? “ Ele foi mostrar nesta discussão que a concepção de Lutero sobre a justificação era muito restringida e limitada. Isto tem muitas verdade, mas também perdeu muitas verdades.
Quando eu desliguei o telefone, eu procurei ver mais adiante os ensinamentos de Lutero no qual, Deus é um juiz, e a convenção é uma cena de sala de tribunal por meio de que todos nós somos os criminosos culpados. Mas desde que Cristo levou nosso castigo, nós adquirimos a retidão dele, e ele adquire nossos pecados.
Para Lutero, em outras palavras, a salvação é uma troca legal, mas para Paulo em romanos, para Paulo em Gálatas, salvação é muito mais que isso. Não é só uma troca legal porque a aliança não aponta para uma sala de tribunal sobre um quarto familiar hebreu. Deus não é só simplesmente juiz; e os julgamentos dele são paternais. Cristo não é só alguém que representa uma vítima inocente que leva nossos pecados, ele é o primogênito entre muitos irmãos. Ele é nosso irmão mais velho, e ele nos vê como fugitivos, como rebeldes que estão cortados da família de Deus. A Nova Aliança não faz que Cristo troque em um senso legal; Cristo nos dá a própria vontade de forma que nós realmente tornemos filhos de Deus.
Assim concluí que a “Sola fide” estava errada. Primeiro, porque a Bíblia nunca diz isso em qualquer lugar. Segundo, porque Lutero inseriu a palavra “só” na tradução para o alemão, embora ele soube perfeitamente bem que a frase “só” não estava no grego. Em nenhuma parte o Espírito santo inspirou os escritores da Bíblia para dizer que nós somos salvos só pela fé. Paulo nos ensina que somos salvos por fé, mas em Gálatas diz que nós somos salvos por fé e obras.
Então de repente nós adquirimos notícias que nossa mudança teoricamente sobre contracepção tinha provocado uma mudança na anatomia de Kimberly e fisiologia; ela estava grávida.
Pastor de uma Igreja em Virgínia
O telefone tocou. Uma igreja em Virgínia, uma igreja famosa “que eu tinha ouvido muito bem me chama e diz, você é o candidato para pastorear, nós o queremos aqui”. Na realidade nós lhe pagaremos bem de forma que você pode estudar 20 horas pelo menos por semana, Bíblia e teologia. “Nós queremos que você nos imirja na Palavra de Deus”, e assim eu comecei.
A primeira coisa que eu fiz era lhes falar sobre a Aliança. A segunda coisa era corrigir o engano deles E mostrar que Aliança significa a família. A terceira coisa que eu fiz era mostrar que a família de Deus faz sentido e que Deus é Pai, Deus é o Filho, e Deus pelo Espírito santo nos fez uma família com Ele. A quarta coisa , era os ensinos sobre liturgia e convenção e família na Bíblia. Eu sugeri que deveríamos ter a refeição familiar, comunhão. Eu usei a palavra “Eucaristia.” Como nós mudamos nossa liturgia, nós sentíamos uma mudança com a nova experiência. Era excitante ver, e como eu lhes ensinei mais sobre a Aliança, eles tinham sede para saber ainda mais.
O professor em um Seminário presbiteriano
Enquanto isso algo dramático aconteceu. Eu cheguei em um seminário, um seminário presbiteriano, e perguntaram se eu ensinava cursos para seminário que começa com Evangelho de João. Eu disse, “Seguramente.” Assim eu comecei a compartilhar do Evangelho de João, sobre a família de Deus, sobre o nascer de novo. Eu descobri em meu estudo que nascer não quer dizer que é somente aceitar Jesus Cristo como seu Salvador. Mas descobri o que Jesus quis dizer em (João 3) quando disse que você tem que nascer novamente. Ele diz que tem que nascer da água e do espírito. Eu ensinei que nascer é novamente um ato de Aliança, um sacramento, uma renovação da Aliança que envolve o batismo.
Enquanto isso eu estava preparando meus sermões e algumas conferências à frente de (João capítulo 3). Eu estava vendo também o capítulo 6. Lá eu descobri algo que nunca tinha notado. Jesus disse a eles, “Verdadeiramente, eu digo, a menos que você coma a carne do filho do homem e bebe o sangue dele você não terá vida em você. Quem come minha carne e bebe meu sangue tem vida eterna e eu o elevarei no último dia, pois minha carne é verdadeiramente uma comida e meu sangue verdadeiramente uma bebida. Quem come minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele”. Eu olhei para isto de dez ângulos diferentes.
Eu tinha sido treinado para interpretar isso em um sentido figurado; Jesus está usando um símbolo. Mas o mais que eu estudei, o mais que eu percebi que esta interpretação não faz sentido nenhum. Porque assim que todos os Judeus ouvem o que Jesus diz, eles partem. Até este ponto, milhares o estavam seguindo, e então de repente as multidões ficam chocado com o que Ele diz, “Minha carne realmente é comida, meu sangue é realmente bebida” e todos eles partem. Se Jesus tinha pretendido falar em um modo figurativo, Ele teria sido obrigado a dizer, “Pare, eu só quero dizer que isto é somente um simbolismo.” Mas Ele não faz isso; ao invés, o que ele faz? Pergunta aos Apóstolos. Pedro se levanta e fala; “Para quem iremos nós? O Senhor tem palavras de vida eterna e nós viemos acreditar.” .
Como eu comecei a estudar isto, eu comecei a perceber uma coisa. Eu descobri que Jesus nunca tinha usado a palavra “Aliança” em seu ministério público. Ele economizou o tempo para instituir a Eucaristia e disse, “Este Cálice é o sangue da nova aliança.” Eu comecei a ver por que na Igreja primitiva durante mais de 700 anos, ninguém em qualquer lugar duvidou do significado das palavras de Jesus. Todos os pais da Igreja primitiva sem exceção levaram as palavras de Jesus acreditando e ensinando na real presença de Cristo na Eucaristia. Eu estava assustado.
Então de repente um episódio aconteceu numa noite em um seminário. Um estudante diplomado nomeado John tinha terminado uma apresentação sobre o Concílio de Trento. O Concílio de Trento, você recordará, era a respostas oficial da Igreja para Martinho Lutero e a Reforma. Em uma hora e meia ele tinha apresentado o Concílio de Trento dentro da luz mais favorável. Ele tinha mostrado quanto os argumentos estavam de fato baseado na Bíblia. Então ele virou o jogo. Os estudantes lhe perguntavam algumas coisas, mas ele disse, “Posso eu fazer primeiro uma pergunta, Professor Hahn?” Você sabe como Lutero realmente teve dois slogans, não só a sola fide, mas a sola scriptura, ou seja: . “Somente a Bíblia” minha pergunta é, onde a Bíblia ensina isto? “
Eu olhei para ele com um olhar fixo em branco. Eu poderia sentir o suor que vinha a minha testa, mas eu disse, “John, isso é uma pergunta boba. Ele olhou para mim e disse, me “Dê uma resposta boba.” Eu disse, “certo, eu tentarei.”. Eu disse, “Bem, (2 Timóteo 3,16) é a chave: “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça” Ele disse, “Espere um segundo” aqui diz que a Bíblia é inspirada e lucrativa; não diz que é SÓ a Bíblia. Nós precisamos de outras coisas como oração, e então ele disse, que em (2 Tessalonicenses 2,15), Paulo conta que eles têm que agarrar as tradições que Paulo os ensinou por escrito ou através das palavras de boca. Eu não estava pronto. Eu disse, “Bem, algumas perguntas e respostas; eu lidarei na próxima.”
Eu penso que eles não perceberam o pânico que eu estava por dentro. Quando eu dirigi para minha casa a noite, eu estava me perguntando, por que eu nunca ouvi aquela pergunta? Por que eu não achei uma resposta? No dia seguinte eu comecei a chamar os teólogos ao redor do país. Eu lhes perguntaria, “Onde a Bíblia ensina a sola Scriptura? Onde a Bíblia nos ensina que a Bíblia é a única autoridade ? ” Um homem na verdade disse a mim, isso é uma pergunta boba que vem de você.” Eu disse, “Me dê então” uma resposta boba. Eu estava tendo êxito. Um professor quem eu respeitava, um teólogo de Oxford, disse a mim, “Scott, você não vai achar na Bíblia uma prova para sola Scriptura porque não é algo que a Bíblia demonstra”.
Outro amigo, um teólogo, me chamou e disse, “Scott, isso que estou ouvindo, é que você está considerando a fé católica? ” Bem, eu realmente não estou considerando a fé católica. “Então eu decidi fazer uma pergunta. Eu disse, “Qual é a coluna e o fundamento da verdade? “ E ele disse, “Scott, para todos nós é a Bíblia.” Eu disse, “Então por que, em (1 Timóteo 3,15) diz que a coluna e o fundamento da verdade é a igreja? “ Ele fiou em silêncio. Eu disse, quantas igrejas dizem ser a coluna e o fundamento da verdade? Eu só sei que a Igreja católica Romana ensina que ela foi fundada por Cristo; e está ao redor durante 2000 anos e está fazendo algumas reivindicações estranhas que parecem muito semelhante a (1 Timóteo 3,15).
Bem, neste momento eu não estava seguro. Eu peguei um telefone e chamei, o presidente do seminário onde eu estava ensinando. Steve me pediu para almoçar fora. Quando saímos para o almoço, eu estava muito assustado e inseguro. Ele falou que as minhas classes iam tão bem, que deixaria ensinar qualquer curso que eu quisesse. Pagaria até mesmo por um curso de doutorado em teologia. Eu disse, “Onde se faz um curso desses por perto? “ Ele disse, “Universidade católica.” Eu pensei, “Não, não, não. Eu não quero estudar lá; eu estou fugindo dessa perspectiva no momento.” Na realidade, ele disse, “Bem, você oraria sobre isto? “ Eu disse, ” penso que você já sabe a resposta”.
Quando eu cheguei em casa, Kimberly estava esperando por mim e expliquei a proposta do seminário e que não ia aceitar porque não estava seguro do que eu ensinaria, porque nesse exato momento eu não estava seguro do que a Bíblia estava ensinando. Ela caminhou até mim, e me deu um grande abraço e disse, “Scott nós vamos ter que orar então.” Ela soube o que significou: Significou a rejeição de um trabalho prospero como pastor de uma igreja crescente.
De Assistente administrativo para Presidente de Faculdade
Nós não soubemos o que íamos fazer. Depois de muita oração, decidimos que deveríamos mudar para a cidade de onde nós nos encontramos. Quando mudamos, eu solicitei um emprego a vários lugares, mas a faculdade me contratou como um administrador assistente do presidente. Durante dois anos eu trabalhei lá, e me esforçava bastante durante o dia e a noite sobrava um tempo para pesquisas detalhadas.
Em dois anos eu tinha lido vários livros, e comecei a ler os teólogos Católicos pela primeira vez e os Estudantes da Bíblia. E eu estava impressionado com as perspicácias deles, eram de acordo com minhas próprias descobertas pessoais, descobertas inovadoras que eu estava assumindo.
Às vezes eu mostrava as obras eruditas para Kimberly e dizia, “Ouça isto, preste bem no autor.” Porque ela era de certo modo uma teóloga, mas estava tão ocupada em cuidar das crianças que não tinha muita energia. Mas ela sentava, enquanto escutava, eu diria, “Quem você pensa que é? “ Ela disse, “fiquei emocionada! Isso parece um de seu sermões em Virgínia.” Eu disse, “Isso é o Vaticano II, Isso é a Igreja católica.” Ela disse, “Scott, eu não quero ouvir isso.” Eu disse, “Kimberly, esta matéria-prima sobre liturgia é tão excitante. Eu não tenho certeza, mas eu penso que Deus poderia ter nos chamando a se tornar Anglicanos.” Ela olhou em meus olhos, e os seus encheram de lágrimas e disse, “da igreja Anglicana! “ Ela disse, “eu sou uma presbiteriana, meu pai é um ministro presbiteriano, meu tio é um ministro presbiteriano, meu marido era um ministro presbiteriano, meu irmão quer ser um. Eu não quero ser da igreja Anglicana.”
Eu me lembro que alguns meses depois de ler muito mais, uma noite eu saí e disse, “Kimberly, eu não estou seguro, mas eu estou começando a pensar que Deus poderia me estar chamando a se tornar um Católico romano.” Este olhar de desespero aconteceu com ela. Ela disse, não “nós não podemos nos tornar Episcopalianos? Qualquer coisa, menos católico.” Ela começou a orar para alguém salvar o marido dela, algum professor, algum teólogo, algum amigo.
Viagem direta para o Catolicismo
Finalmente aconteceu. Um dia, Gerry, meu melhor amigo de seminário, me chamou. Ele era o único estudante, junto comigo, que segurou à velha convicção protestante que o Papa era o anti-Cristo. Ele falou comigo uma noite no telefone. Eu li a ele uma passagem de um livro de Bouyer. Ele disse, “Emocionei, isso é rico e profundo. Quem escreveu isto? “ Eu disse, “Louis Bouyer.” “Bouyer? eu nunca ouvi falar dele, o que é ele? “ Eu disse, “O que você quer dizer? “ Bem, ele é um Metodista? “ Eu disse, “Não”. “Ele é um batista? “ “Não.” “Eu quero dizer é Luterano? O que é ele? ” Eu disse, “Bem, ele é um Cató—–. ” “Eu sinto muito” Eu disse, “Ele é Cató—-romano “Espere um segundo, deve haver um erro, Scott. Eu pensei que você disse que ele é católico.” Eu disse, “Gerry, ele é católico, e eu tenho lido muitos livros católicos.”
De repente eu falei, “eu tenho lido Danielou, Ratzinger, Lubac,Garrigou-Lagrange e Congar, e todos estes sujeitos tem uma riqueza enorme; você tem que ler também”. Ele disse, “Reduza a velocidade. E continuou, “Scott, sua alma pode estar em perigo.” Eu disse, “Gerry, possa eu lhe dar uma lista de títulos? “ Ele disse, lerei, qualquer coisa para o salvar deste tipo de armadilha. E eu lhe dei estes títulos.” Eu disse, “Gerry, eu li todos, separe um deles, pelo menos uma ou duas vezes”. E eu enviei isto a ele.
Depois, de um mês nós conversamos um longo tempo por telefone. Bem, isto foi por três ou quatro meses. Nós falaríamos por telefone, duas, três, às vezes quatro horas discutindo, teologia e Bíblia até três ou quatro pela manhã. Uma noite minha esposa sentou na cama e disse, “Como vai? “Me fale sobre isto. Eu disse, “Gerry ficou perplexo com a verdade Bíblica e o avanço da Igreja católica”. Eu não pude ver ela enfrentar isso, mas eu pude ver sua face no travesseiro começando a chorar.
Em pouco tempo Gerry me chamou e disse, escute, eu estou um pouco assustado. Meus amigos também estão assustados. Nós realmente deveríamos levar isto a sério. Eu falei com John Gerstner, um teólogo Presbiteriano, anti-católico, para uma reunião de seis horas, para um estudo aprofundado, começando pelo Velho Testamento em hebraico, o Novo Testamento em grego, e documentos da história da Igreja. Ao término de seis horas, Gerry descobrimos que a Igreja católica nem mesmo tem necessidade de uma defesa. Ela está mais como um leão. Nós apresentamos os ensinos da Igreja no contexto Bíblico, e ele não tinha respondido nenhuma de nossas perguntas ou objeções.
Enquanto isso, eu enviei uma aplicação para Universidade de Marquette porque eu tinha ouvido que tinham alguns teólogos excelentes. Fui aceito, e consegui uma bolsa de estudos, comecei a visitar alguns padres na área. Nenhum deles quis discutir minhas perguntas. Um deles na verdade disse, “você está pensando em converter-se para o Catolicismo? Não, você não quer fazer isso. Desde o Vaticano II nós desencorajamos isso. A melhor coisa que você pode fazer para a Igreja é ser um bom ministro presbiteriano.”
Três ou quatro encontros assim fiquei sem entender. Eu compartilhei isto com Kimberly. Ela disse, “Você tem que ir a uma Escola católica onde você pode estudar em tempo integral, onde você pode ter certeza que acredita na Igreja católica.” Assim depois de muito oração e preparação, nós nos mudamos para Milwaukee onde eu estudei dois anos de tempo integral no programa doutoral deles.
Esses dois anos eram os anos mais ricos de estudo que eu já tinha experimentado e o tempo mais rico de oração. Eu me achei dentro de alguns seminários, entretanto, onde eu era de fato o solitário protestante. Eu realmente desfrutei o tempo. Mas aconteceu duas coisas no caminho.
Primeiro, eu comecei a pedir um rosário. Eu estava muito assustado, mas procedi a rezar, e como rezei. Comecei a entender então os Católicos. Logo veio em minha mente, que eu era uma criança de Deus. Eu não tinha somente Deus como Pai e Cristo como meu irmão; mas eu tinha também uma Mãe.
Um amigo meu que tinha ouvido que eu estava passando para a igreja católica me chamou um dia e disse: “Você adora a Maria como esses Católicos fazem? “ Eu disse, “Eles não adoram a Maria; eles honram a Maria.” “Bem, qual é a diferença? ” Eu disse, me Deixe explicar. Quando Cristo aceitou o chamada do Pai para se tornar um homem, Ele aceitou a responsabilidade para obedecer a lei, a lei moral na qual é resumida os Dez Mandamentos. Há um mandamento que diz, Honra seu pai e mãe. eu disse, “Chris, no hebreu original, aquela palavra “honra”, kaboda, palavra hebréia pretende glorificar, dar qualquer glória e honre você seu pai e mãe. Cristo cumpriu aquela lei mais perfeitamente que qualquer humano dando a glória dele honrando a Mãe. Tudo que nós fazemos no rosário, Chris, é imitar Cristo que honra a Sua Mãe com a glória dele. Nós a honramos com a glória de Cristo.
A segunda coisa que aconteceu foi quando fui a capela. Sentei na parte de trás, e era um observador. Então um sino tocou e todos eles se levantaram e a Missa começou. Eu nunca tinha visto isto antes.
A Liturgia da Palavra era rica. Eles leram a Bíblia, mais do que eu pensei. Então a Liturgia da Eucaristia começou. Eu assisti e escutei como o padre pronunciou as palavras de consagração. E eu confesso, a última gota de dúvida escoou fora naquele momento. Eu olhei e disse, “Meu Deus meu Deus.” Como as pessoas começaram a ir adiante para receber a comunhão, eu fiquei alegre e o Senhor entrou em meu coração. O Senhor é Deus e meu Salvador pessoal , mas agora eu penso que o Senhor quer vir em meu corpo como também em minha alma até que esta comunhão esteja completa.
O próximo dia que eu estava de volta, e o próximo, e o próximo. Eu não pude contar a ninguém. Eu não pude contar a minha esposa. Mas em duas ou três semanas eu estava com a cabeça erguida e sempre dizendo em meu íntimo, ame o Cristo na Real Presença, no Santíssimo Sacramento.
Então um dia Gerry me chamou no telefone. Ele tinha lido centenas de livros. Ele chamou para anunciar, “Leslie e eu decidimos tornar católicos na Páscoa de 1986. “ Depois que desliguei o telefone, eu disse, “Kimberly, você nunca vai adivinhar o que Gerry e Leslie estão planejando fazer.” “O que?” Eles vão se tornar Católicos na Páscoa de 1986. ”
Eu soube que Kimberly me amou bastante e nunca me permitiu desobedecer meu Deus e Salvador. Ela disse, “eu rezarei aproximadamente, mas eu tenho que lhe falar, eu me sinto traída. Eu me sinto abandonada. Eu nunca me senti tão só em minha vida. Todos meus sonhos estão morrendo por causa disto.” Mas ela rezou, e Deus a abençoou, ela voltou e disse, “Esta é a coisa mais dolorosa em minha vida, em nosso matrimônio, mas eu penso que é o que Deus quer que eu faça.”
Na vigília da Páscoa de 1986, ela me acompanhou para a Missa de vigília, que até este momento, eu já tinha recebido o batismo, primeira comunhão, Confirmação. Quando eu voltei eu estava chorando, e eu pus meu braço ao redor do dela e nós começamos a rezar. Deus disse a mim, “Olhe, eu não lhe estou pedindo que se torne um católico apesar de seu amor por Kimberly, porque eu a amo mais que você”.
Nós tivemos um terceiro bebê, Hannah. Quando Hannah foi concebida, eu estava realmente assustado. Assustado por muitos razões mas nunca tão assustado como numa manhã de domingo quando Kimberly estava grávida de cinco meses. Estávamos na Igreja dela e na última estrofe do último hino, ela se levantou e virou para mim. Ela estava branca como um fantasma e disse, “eu não me sinto bem.” Ela se sentou e se deitou,e não soube o que fazer, corri para um telefone público, e estava em um pânico mas logo veio a ajuda e ela entrou no carro e fomos para o hospital e a vida de Kimberly, e o bebê foram poupadas, e Hannah nasceu.
Eu há pouco tive o senso que estávamos mais íntimos de Deus para o nosso matrimônio, pois antes de Hannah nascer Kimberly me disse, “eu não estou segura mas acho que Deus está me dizendo que Hannah vai ser um criança de reconciliação. Eu não estava seguro do que isso significaria.” Nós abraçamos e começamos a rezar sobre isto.
Depois que Hannah nasceu, Kimberly me chamou. Ela disse, “penso que Deus quer que eu tenha a Hannah batizado dentro da Igreja católica.” Eu disse, o que? Ela disse, “eu não estou segura mas sim.” e nós passamos pela liturgia do batismo. Como resultado desta celebração litúrgica do batismo, ela fotografou a liturgia batismal e enviou à família e amigos. Mas ela ainda não estava pronta para entrar nestes debates. Ela começou ler e rezar.
Viagem para o Vaticano em Roma
Em Janeiro meu sogro me convidou a se juntar a ele e um grupo de pessoas que estavam trabalhando contra a pornografia que se espalhava pela Europa oriental. Nesta viagem, iríamos também ao Vaticano para uma reunião e uma privada audiência com o Papa João Paulo II. Meu sogro, presbiteriano auxiliar, me perguntou se eu queria conhecer o Papa Eu disse, “Sim.” Assim no final de janeiro, além de ter podido se reunir com o Papa também fui convidado o acompanhar na capela privada dele em uma sexta-feira e participar da Missa matutina às 7:00 da manhã onde fiquei alguns metros dele. Você poderia ouvir ele que reza com a cabeça dele nas mãos dele, levando o peso do Igreja com todos seus fardos no coração dele.
Como ele celebrou os Mistérios da Santa Missa, eu prometi para mim mesmo de participar profundamente na Missa, compartilhar com meus irmãos e irmãs, e agradecer a Cristo que nos deu uma incrível família, agradecer a Santíssima Virgem Maria por ser nossa Mãe espiritual, ao Papa, João Paulo II por ser um guia e um pai espiritual que nos conduz ao Pai divino, agradecer aos santos que são nossos irmãos e são a família de Deus.
“A Igreja é a coluna e o fundamento da verdade” (1 Tim 3,15)
“Todo aquele que divide Jesus é um anti-cristo” (1 Jo 4,3)

Download Católico